Fase II - Geoprocessamento e Cadastramento de Porpriedades Rurais no Oeste da Bahia

Escrito por Kilmara Ramos. Publicado em Geoprocessamento

          Por meio do Projeto de Cooperação Técnica (PCT) – Desenvolvimento de Ações de Combate à Desertificação e de Estímulo à Conservação, Preservação e Recuperação dos Recursos Naturais na Região Semiárida do Brasil do IICA com o MI, foi solicitado providências no sentido de elaborar um Plano de trabalho que viabilizasse o projeto de Geoprocessamento do rio Grande, do rio Corrente e da margem esquerda do rio Carinhanha e o cadastramento de propriedades com análise da cobertura vegetal dos Municípios prioritários na região do oeste baiano.
        A conservação no bioma Cerrado e a intervenção em áreas de expansão da fronteira agrícola, torna o oeste do Estado da Bahia uma região prioritária para ações que promovam o equilíbrio ambiental regional. Essa área corresponde às bacias hidrográficas de tributários da margem esquerda do Rio São Francisco.
       Portanto faz-se necessária a realização de um diagnóstico da situação ambiental, com foco no mapeamento do uso do solo usando imagens de satélite de alta resolução, de forma a proporcionar uma escala compatível com a execução dos trabalhos. Estes levantamentos darão apoios aos futuros trabalhos referentes ao cadastramento dos proprietários rurais e negociações para recuperação dos passivos ambientais em cada propriedade rural nos municípios prioritários da região.
       Estudo que contribui para a ação governamental de revitalização da bacia hidrográfica. A ideia de revitalização teve início em 2003, quando o Ministério do Meio Ambiente procurou efetivar uma das primeiras ações listadas na sua agenda estratégica com a inserção do Programa de Revitalização no PPA 2004-2007 para a referida bacia hidrográfica e demais bacias com vulnerabilidade ambiental.
       O presente projeto de Georreferenciamento do Oeste da Bahia – Fase II, utilizará os conceitos e as abordagens preconizadas pelos Sistemas de Informações Geográficas (SIG) como fundamento para apoiar os estudos de delimitação de áreas de preservação permanente, identificação de áreas erodidas ou vulneráveis a processos de degradação ambiental, entre outros planos de informação, que subsidiarão a produção de mapas de uso indicado para o território sob consideração.
      Na Fase II serão contemplados três municípios da região Oeste da Bahia, Formosa do Rio Preto, Santa Rita de Cássia e Baianópolis (Figura 1), totalizando 2,6 milhões de hectares. Esses municípios correspondem às áreas de nascentes das bacias hidrográficas do rio Grande; rio Corrente e margem esquerda do rio Carinhanha no estado da Bahia, possuindo aproximadamente 2,6 milhões de hectares.

Marcus Vinícius