Geoprocessamento

Escrito por Super User. Publicado em Geoprocessamento

O Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura – IICA, como organismo de cooperação técnica, trata os temas conservação do meio ambiente e implementação de ações que promovam o aumento da quantidade e da qualidade da água para usos múltiplos como condições para garantir desenvolvimento com sustentabilidade para o campo.

Na visão do IICA, a utilização instrumental de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) é uma relevante contribuição em termos de diagnóstico ambiental.

Projetos de Cooperação Técnica com a utilização de Geoprocessamento foram realizados neste Instituto. Em 2009 foi realizado o Cadastramento e Geoprocessamento de Propriedades Rurais no Oeste da Bahia, juntamente com o Ministério da Integração Nacional, Universidade de Brasília (UNB), Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF), The Nature Conservancy (TNC), entre outros colaboradores. A região do oeste da Bahia é a mais nova fronteira agrícola e necessita tomar as medidas necessárias para a adequação ambiental da produção como forma de garantir a sustentabilidade das próprias atividades.

Nesta perspectiva, IICA espera que o geoprocessamento represente uma contribuição importante para o processo de adequação ambiental e um instrumento de fomento para todas as regiões do país. Na qualidade de organismo internacional esperamos, ainda, colher no Brasil lições valiosas que possam ser úteis em outros países das Américas, para um processo de desenvolvimento e consolidação da agricultura.

Fase II - Geoprocessamento e Cadastramento de Porpriedades Rurais no Oeste da Bahia

Escrito por Kilmara Ramos. Publicado em Geoprocessamento

          Por meio do Projeto de Cooperação Técnica (PCT) – Desenvolvimento de Ações de Combate à Desertificação e de Estímulo à Conservação, Preservação e Recuperação dos Recursos Naturais na Região Semiárida do Brasil do IICA com o MI, foi solicitado providências no sentido de elaborar um Plano de trabalho que viabilizasse o projeto de Geoprocessamento do rio Grande, do rio Corrente e da margem esquerda do rio Carinhanha e o cadastramento de propriedades com análise da cobertura vegetal dos Municípios prioritários na região do oeste baiano.
        A conservação no bioma Cerrado e a intervenção em áreas de expansão da fronteira agrícola, torna o oeste do Estado da Bahia uma região prioritária para ações que promovam o equilíbrio ambiental regional. Essa área corresponde às bacias hidrográficas de tributários da margem esquerda do Rio São Francisco.
       Portanto faz-se necessária a realização de um diagnóstico da situação ambiental, com foco no mapeamento do uso do solo usando imagens de satélite de alta resolução, de forma a proporcionar uma escala compatível com a execução dos trabalhos. Estes levantamentos darão apoios aos futuros trabalhos referentes ao cadastramento dos proprietários rurais e negociações para recuperação dos passivos ambientais em cada propriedade rural nos municípios prioritários da região.
       Estudo que contribui para a ação governamental de revitalização da bacia hidrográfica. A ideia de revitalização teve início em 2003, quando o Ministério do Meio Ambiente procurou efetivar uma das primeiras ações listadas na sua agenda estratégica com a inserção do Programa de Revitalização no PPA 2004-2007 para a referida bacia hidrográfica e demais bacias com vulnerabilidade ambiental.
       O presente projeto de Georreferenciamento do Oeste da Bahia – Fase II, utilizará os conceitos e as abordagens preconizadas pelos Sistemas de Informações Geográficas (SIG) como fundamento para apoiar os estudos de delimitação de áreas de preservação permanente, identificação de áreas erodidas ou vulneráveis a processos de degradação ambiental, entre outros planos de informação, que subsidiarão a produção de mapas de uso indicado para o território sob consideração.
      Na Fase II serão contemplados três municípios da região Oeste da Bahia, Formosa do Rio Preto, Santa Rita de Cássia e Baianópolis (Figura 1), totalizando 2,6 milhões de hectares. Esses municípios correspondem às áreas de nascentes das bacias hidrográficas do rio Grande; rio Corrente e margem esquerda do rio Carinhanha no estado da Bahia, possuindo aproximadamente 2,6 milhões de hectares.

Marcus Vinícius

 

Fase I - Geoprocessamento e Cadastramento de Porpriedades Rurais no Oeste da Bahia

Escrito por Kilmara Ramos. Publicado em Geoprocessamento

             A área abrangida pelo presente projeto corresponde às bacias hidrográficas de tributários da margem esquerda do Rio São Francisco, onde ocorre a maior expansão das atividades agrícolas.
         Os diversos setores representativos da sociedade trataram de conciliar os respectivos interesses setoriais por meio da construção de consenso entre o setor produtivo (agricultura) e o poder representativo do interesse social (Ministério Público) em conjunto com a parceria representada pelo IBAMA na conservação e preservação dos preceitos legais relativos à questão ambiental.     Desta maneira, os compromissos assumidos pelas partes deverão garantir a recuperação de áreas degradadas por ações antrópicas, enquadrando-as, segundo os requisitos legais, em tempo e magnitude pactuados. Esta forma de conciliação é determinante para a harmonização dos interesses outrora conflitantes.
           Portanto, para construir um consenso, foi necessária a realização de um diagnóstico da situação ambiental, com foco no mapeamento do uso atual do solo e o respectivo uso recomendado, utilizando imageamento via satélite de alta resolução, de forma a proporcionar uma base compatível para a elaboração dos trabalhos de levantamento que, por sua vez, darão apoio aos futuros trabalhos referentes ao cadastramento dos proprietários rurais e às negociações para a recuperação dos passivos ambientais em cada uma das propriedades rurais nos municípios prioritários da região.
          A execução deste trabalho contou com a participação das seguintes instituições parceiras: Ministério da Integração Nacional – MI, Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba – Codevasf, Laboratório de Sistemas de Informações Espaciais (LSIE) da Universidade de Brasília – UnB, Universidade Federal da Bahia – UFBA, Secretaria de Meio Ambiente e de Recursos Hídricos da Bahia – Semarh-BA, ONG internacional The Nature Conservancy – TNC e Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura – IICA.
          A responsabilidade de coordenação técnica ficou a cargo da Codevasf e a responsabilidade administrativa, do MI em conjunto com o IICA, constituindo um Comitê Técnico que avaliou, referendou e homologou a validade dos produtos elaborados pelas consultorias e serviços contratados.
         A execução do Plano de Trabalho e o escopo de suas atividades estiveram sob a responsabilidade do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura – IICA e coordenação da Área Temática de Recursos Naturais e Gestão Ambiental.

Gertjan B. Beekman

Esta iniciativa preconizava um espaço territorial correspondente a cerca de 6,4 milhões de hectares correspondente a superfície dos sete Municípios contemplados pelo Projeto. Durante o ano de 2009 foi realizado o mapeamento do uso do solo e a coleta e análise de solos dos municípios de Riachão das Neves, Barreiras, Luiz Eduardo Magalhães, São Desidério, Correntina, Jaborandi e Cocos e o cadastramento de propriedades rurais nos municípios de Barreiras, Luiz Eduardo Magalhães e Riachão das Neves. Em decorrência da importância do resultado obtido e visando dar continuidade ao projeto existe uma grande expectativa de expansão do mesmo para outros municípios da região Oeste da Bahia.

Veja também:

Publicação
+ Link para vídeo